Pular para o conteúdo principal

O corpo perfeito, segundo a ciência


A modelo e atriz Kelly Brook tem 34 anos, 1,68m de altura e é considerada gordinha. Diferente dos estereótipos de magreza que tomaram conta dos padrões de beleza divulgados desde sei-lá-quando, ela foi classificada como a mulher com o corpo mais perfeito do mundo.  

A escolha é apoiada pela ciência, a partir de estudo da Universidade do Texas – sim, Estados Unidos, e sua notória “loucultura” americana -, e para se chegar a esse título, os estudiosos consideraram, além das medidas, a idade, rosto, lábios, nariz e cabelos de Kelly. Não tem qualquer cirurgia ali, corpo natural, com suas celulites e gordurinhas.



Detalhes curiosos, como o peso e as medidas da moça, não foram informados pela reportagem do site Mistérios do Mundo. Pela foto, logo se vê que ela é realmente linda. Minha opinião... alguns poderão discordar, fiquem à vontade.
Fiquei pensando o que significou essa escolha, entre tantos corpos no mundo, considerando a beleza das diferenças que a vida humana oferece e que é justamente o que nos confere esse valor.
Mas com uma coisa, confesso, fiquei contente: pode ser mais um passo (vários estão sendo dados) para uma flexibilização da visão estereotipada da mulher e do homem magros como padrões únicos de beleza. Isso não tem padrão. Beleza é ser educado, do bem, é ter autoconfiança.
Há 12 anos, a Dove, da Unilever, lançou a Campanha pela Real Beleza, mostrando, com sensibilidade, mulheres com diferentes tipos físicos. A campanha viralizou nas redes sociais, ganhou prêmios inéditos de publicidade pelo mundo e acabou transformando-se em uma experiência social com o propósito de empoderamento feminino.
A Unilever, fabricante do Dove, financiou pesquisa feita por uma psicóloga de Harvard, Nancy Etcoff, sobre o resultado dessas campanhas em relação à mudança da percepção feminina quanto à aceitação. O exame apontou, segundo a revista Meio e Mensagem, que “as mulheres passaram a definir a beleza em uma ampla gama de qualidades que vão além dos olhares, incluindo a autoconfiança”, entre outras questões. Bingo!
Então, que tal a gente se amar como é e investir sempre em melhorar o que temos? 

Um beijo carinhoso!
Dani


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alunos do Senac apresentam peça inspirada em obra de Nelson Rodrigues

Uma boa dica de diversão e cultura para dar start no final de semana, é o espetáculo "Devaneios sobre um Vestido de Noiva", que será apresentado nos dias 19 e 20 de outubro, às 20 horas, no Teatro do Sesi, em Piracicaba, pelos alunos do curso técnico de Teatro do Senac. A peça é inspirada livremente em "Vestido de Noiva", obra do escritor e dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues. As apresentações são gratuitas e os ingressos podem ser retirados com uma hora de antecedência no local.
Considerado pela crítica especializada como um divisor de águas na modernização do teatro brasileiro, Nelson Rodrigues fornece obras com amplas possibilidades de releituras e abordagens. 
Embebecida no expressionismo, movimento artístico e literário que surgiu na Alemanha no fim do século 19, a peça emociona sem a preocupação com o padrão de beleza tradicional. Partindo desse ponto, os alunos da 9ª turma optaram pelo universo rodrigueano dentro do projeto do módulo de montagem teatral, qu…

Ação social incentiva pessoas a somar nas diferenças

Neste sábado (22), das 15h às 18h, o Casarão do Turismo de Piracicaba, na Rua do Porto, se transformará num espaço de amor, tolerância, conhecimento, troca de experiências e bem-estar. É o 1º Evento de Férias: Somando Diferenças, com a finalidade de ajudar a transformar o olhar da sociedade em relação às deficiências e desmistificar o conceito de diferença entre as pessoas. 
O evento é gratuito e aberto a todos, uma grande oportunidade para vivenciarmos essa integração e participarmos da programação, voltada a crianças e adultos, como música, intervenções artísticas, atividades corporais, apresentação teatral, roda de histórias, artesanato e brincadeiras.
A organização tem a participação da assistente social Lucy Mazeto e de Euclidia Fioravante, diretora do Espaço Pipa, que atende crianças com síndrome de Down e suas famílias e de onde partiu a parceria, além das psicólogas Jenifer Crescêncio e Mariana Ricci Sahuquillo, que por graça divina é minha filha.
A iniciativa surgiu do desejo de…

Playlist para se despedir de Belchior

Morreu o Belchior - e podem me chamar de brega, mas meu coração doeu. Minha filha estava em casa quando o Raphael, sabendo o quanto sou fã, me deu a notícia ouvida pela TV, falando de mansinho. A Mariana, aos 24 anos, disse não se lembrar dele, até que eu cantasse trechos de quatro ou cinco músicas, entre elas Como Nossos Pais, eternizada pela Elis, para ela identificar e lamentar.
Eu tinha a idade de minha filha quando o conheci pessoalmente, em um show na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), onde eu estudava Jornalismo. Me lembro de ficar impressionada com o tamanho daquele homem e de sua cabeça, com seu sotaque fortemente nordestino, que ficava charmosíssimo no francês ou no inglês. Bom papo, educado e inteligente, um homem no mínimo interessante, que se portava, naquele ambiente universitário, mais como professor do que como artista. Conversamos muito e ele, como excelente compositor, me deu uma caixa com gravações de suas canções por diversos cantores desconhecidos, em …