Pular para o conteúdo principal

Playlist para se despedir de Belchior

Foto: internet

Morreu o Belchior - e podem me chamar de brega, mas meu coração doeu. Minha filha estava em casa quando o Raphael, sabendo o quanto sou fã, me deu a notícia ouvida pela TV, falando de mansinho. A Mariana, aos 24 anos, disse não se lembrar dele, até que eu cantasse trechos de quatro ou cinco músicas, entre elas Como Nossos Pais, eternizada pela Elis, para ela identificar e lamentar.

Eu tinha a idade de minha filha quando o conheci pessoalmente, em um show na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), onde eu estudava Jornalismo. Me lembro de ficar impressionada com o tamanho daquele homem e de sua cabeça, com seu sotaque fortemente nordestino, que ficava charmosíssimo no francês ou no inglês. Bom papo, educado e inteligente, um homem no mínimo interessante, que se portava, naquele ambiente universitário, mais como professor do que como artista. Conversamos muito e ele, como excelente compositor, me deu uma caixa com gravações de suas canções por diversos cantores desconhecidos, em fitas k-7. Ainda as tenho. Foi um bate-papo inesquecível e enriquecedor. 

Mas fui apresentada a ele por meu primeiro namorado, o David, que também era muito inteligente e costumava me escrever cartas com letras de músicas românticas, trocando os nomes das musas pelo meu. Beijo Molhado foi uma delas e sempre que a ouço, eu a tomo para mim, viro musa. 

Nascido Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, morreu na madrugada do dia 30, aos 70 anos. Natural de Sobral, no Ceará. Ficou sumido por anos, morou no Uruguai e se despediu desta vida no Rio Grande do Sul. Autor de sucessos memoráveis, que muitas vezes mereceram minhas lágrimas, de saudades e emoção. Letras inteligentes, poesias em música, filosofia cantada, reflexões sobre o cotidiano. A história recente do Brasil está parte contada em suas músicas. Foi um dos primeiros cantores nordestinos a gravar MPB, com mais de 20 discos na carreira. Certamente, o Brasil perde um de seus grandes ícones artísticos, no nível de Tom Jobim, Elis Regina (uma de suas maiores intérpretes) e Raul Seixas.

Em homenagem a este meu ídolo, trago aqui uma lista com 15 canções e composições dele - foi impossível fazer apenas cinco escolhas -, para relembrar ou apresentar aos mais jovens. Para ouvir de joelhos.


Beijão, Belchior!











10 - Canteiros


12 - Paralelas 




Comentários

  1. Nossa, Dani!! Que delícia receber este presente! UMa playlist que eu assinaria embaixo, com ceretza! Que Belchior descanse em paz! BJs, amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delícia ter vc aqui, Cris! Sim, ele é meu ídolo!! Que descanse em paz. Bjos, minha querida amiga!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Para ficar gostosa no Carnaval

Seja nos blocos de rua, clubes, praias, em festas por todo o País ou mesmo em retiros, longe da bagunça, o Carnaval nos proporciona cinco dias de curtição. Goste ou não, de 24 de fevereiro até 1º de março, as atividades carnavalescas devem movimentar cerca de R$ 5,8 bilhões, de acordo com pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). É dinheiro, hein?! Uma parte disso será gasta em bebidas, fantasias, biquínis e... lingeries. 
A parte das lingeries me chamou a atenção. Já parou para pensar sobre qual é a peça íntima ideal para aproveitar esses dias? De acordo com Júnior Zampol, diretor do Grupo Lutestil, fabricante da marca LUT, de moda íntima feminina, o ideal é usar modelos que sejam sensuais e que ao mesmo tempo proporcionem conforto. É uma época em que as mulheres optam por lingeries que aflorem a sensualidade, o que, por vezes, torna-se desconfortável. 

Pensando nisso - nessa mulherada que quer ficar gostosa, tanto no ver, como no sentir -, há alg…

Ação social incentiva pessoas a somar nas diferenças

Neste sábado (22), das 15h às 18h, o Casarão do Turismo de Piracicaba, na Rua do Porto, se transformará num espaço de amor, tolerância, conhecimento, troca de experiências e bem-estar. É o 1º Evento de Férias: Somando Diferenças, com a finalidade de ajudar a transformar o olhar da sociedade em relação às deficiências e desmistificar o conceito de diferença entre as pessoas. 
O evento é gratuito e aberto a todos, uma grande oportunidade para vivenciarmos essa integração e participarmos da programação, voltada a crianças e adultos, como música, intervenções artísticas, atividades corporais, apresentação teatral, roda de histórias, artesanato e brincadeiras.
A organização tem a participação da assistente social Lucy Mazeto e de Euclidia Fioravante, diretora do Espaço Pipa, que atende crianças com síndrome de Down e suas famílias e de onde partiu a parceria, além das psicólogas Jenifer Crescêncio e Mariana Ricci Sahuquillo, que por graça divina é minha filha.
A iniciativa surgiu do desejo de…