Pular para o conteúdo principal

Aprenda a lidar com a perda do emprego... e reaja!


Uma das situações que mais causam insegurança na vida adulta é a perda do emprego. O choque da nova realidade e, na sequência, a preocupação de buscar outra chance, se encaixando no que o mercado também oferece,  são difíceis de lidar. Manter-se preparado, estudando e se atualizando com as novidades, é um meio de controlar a ansiedade nessa hora. Recentemente, quando enfrentei essa situação, li a seguinte frase de William McFee: “O mundo não está preocupado com os temporais que você enfrentou. Ele quer saber se você trouxe o navio”. Isso me levou a muita reflexão e ação. Mas há meios profissionais de se "autochacoalhar" e o processo de coaching é um deles.

Melissa Oliver é coach de carreira e conta que o medo de não se recolocar novamente é comum e, assim que perde o emprego, o profissional tende a passar por três fases diferentes:

1 - Anestesia: a pessoa aparenta tranquilidade. “É uma espécie de proteção que nosso corpo nos proporciona para segurar a alta carga de estresse do momento”, diz Melissa.

2 - Desamparo ou Revolta: a intensidade desses sentimentos dependerá de fatores como personalidade, estrutura familiar ou responsabilidades (filhos, dívidas, contas). “Opiniões alheias e conselhos inapropriados podem gerar mais ansiedade e estresse”, ressalta.

3 – Tristeza ou Vergonha: podem depender do motivo da demissão. “Se o profissional entendeu que sua demissão foi injusta, a tristeza pode ser profunda e até culminar em problemas de saúde, como depressão, hipertensão, fobias. No caso da demissão justificada ou até mesmo amigável, ainda assim é comum sentir um pouco de vergonha por ter sido o ‘escolhido’ em meio a outros”, afirma a coach. Nessa fase, é muito importante trabalhar a autoestima e o foco profissional, já que decisões precipitadas podem causar mais danos emocionais e financeiros.

Nos últimos tempos, com a crise econômica,  é comum termos pessoas próximas enfrentando o cenário do desemprego e cada vez mais se ouve falar no coaching de carreira como auxílio no acolhimento de sentimentos, frustrações e caos interno que uma demissão pode gerar. “Daí em diante, o coaching ajuda no autoconhecimento e empoderamento das competências profissionais e pessoais, podendo culminar na autonomia nas decisões”, afirma Melissa.

Não gosto da palavra empoderamento. Creio ser possível descobrirmos capacidades positivas em nós, que antes não aproveitávamos 100%, e isso nos desenvolve como profissionais – e até mesmo como seres humanos. Num momento como este, buscar ajuda profissional pode realmente fazer toda a diferença. Eu passei pelo desemprego nos últimos quase dois anos e foi bastante difícil, como nunca havia sido antes na mesma situação. Mesmo com a ajuda de bons amigos e parceiros, somente quando tomei a decisão de abrir a mente e o olhar para o novo, foi que as coisas aconteceram e eu retomei minha força, descobri capacidades e me desenvolvi um pouco mais como profissional. Quando a gente se abre internamente, nossa força empurra portas. Não se esqueça disso.

De volta ao mercado

Preparar-se para essa recolocação depende de diversos aspectos, mas manter-se otimista é fundamental. “O tipo de apoio emocional e financeiro que a pessoa dispõe são fatores que também vão influenciar no processo de retorno. O autoconhecimento é muito importante nesse período”, disse a Melissa Oliver, endossando minha experiência.

Autoconsciência, na prática, significa postura mais segura numa entrevista de emprego, foco para fazer uso mais habilidoso da rede de contatos, autoestima para buscar novos contatos, entre outras questões.

Respeite todas essa etapas após a perda do emprego, lembrando que naturalmente as frustrações podem fortalecer e trazer maturidade, desde que se saiba lidar com elas. “Leva um tempo, é um processo individual e contínuo. Ter pressa e não dar atenção a nossas emoções, especialmente quando somos demitidos, nos deixará mais fragilizados e isso irá refletir no desempenho profissional.”

Então, vai aí o contatinho da profissional. Quando ligar, fala que leu a notícia aqui no blog, combinado?
Sucesso! Acredite em você!
Beijão da Dani



Melissa Oliver: (19) 99382-4410

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ação social incentiva pessoas a somar nas diferenças

Neste sábado (22), das 15h às 18h, o Casarão do Turismo de Piracicaba, na Rua do Porto, se transformará num espaço de amor, tolerância, conhecimento, troca de experiências e bem-estar. É o 1º Evento de Férias: Somando Diferenças, com a finalidade de ajudar a transformar o olhar da sociedade em relação às deficiências e desmistificar o conceito de diferença entre as pessoas. 
O evento é gratuito e aberto a todos, uma grande oportunidade para vivenciarmos essa integração e participarmos da programação, voltada a crianças e adultos, como música, intervenções artísticas, atividades corporais, apresentação teatral, roda de histórias, artesanato e brincadeiras.
A organização tem a participação da assistente social Lucy Mazeto e de Euclidia Fioravante, diretora do Espaço Pipa, que atende crianças com síndrome de Down e suas famílias e de onde partiu a parceria, além das psicólogas Jenifer Crescêncio e Mariana Ricci Sahuquillo, que por graça divina é minha filha.
A iniciativa surgiu do desejo de…

Playlist para se despedir de Belchior

Morreu o Belchior - e podem me chamar de brega, mas meu coração doeu. Minha filha estava em casa quando o Raphael, sabendo o quanto sou fã, me deu a notícia ouvida pela TV, falando de mansinho. A Mariana, aos 24 anos, disse não se lembrar dele, até que eu cantasse trechos de quatro ou cinco músicas, entre elas Como Nossos Pais, eternizada pela Elis, para ela identificar e lamentar.
Eu tinha a idade de minha filha quando o conheci pessoalmente, em um show na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), onde eu estudava Jornalismo. Me lembro de ficar impressionada com o tamanho daquele homem e de sua cabeça, com seu sotaque fortemente nordestino, que ficava charmosíssimo no francês ou no inglês. Bom papo, educado e inteligente, um homem no mínimo interessante, que se portava, naquele ambiente universitário, mais como professor do que como artista. Conversamos muito e ele, como excelente compositor, me deu uma caixa com gravações de suas canções por diversos cantores desconhecidos, em …

Para ficar gostosa no Carnaval

Seja nos blocos de rua, clubes, praias, em festas por todo o País ou mesmo em retiros, longe da bagunça, o Carnaval nos proporciona cinco dias de curtição. Goste ou não, de 24 de fevereiro até 1º de março, as atividades carnavalescas devem movimentar cerca de R$ 5,8 bilhões, de acordo com pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). É dinheiro, hein?! Uma parte disso será gasta em bebidas, fantasias, biquínis e... lingeries. 
A parte das lingeries me chamou a atenção. Já parou para pensar sobre qual é a peça íntima ideal para aproveitar esses dias? De acordo com Júnior Zampol, diretor do Grupo Lutestil, fabricante da marca LUT, de moda íntima feminina, o ideal é usar modelos que sejam sensuais e que ao mesmo tempo proporcionem conforto. É uma época em que as mulheres optam por lingeries que aflorem a sensualidade, o que, por vezes, torna-se desconfortável. 

Pensando nisso - nessa mulherada que quer ficar gostosa, tanto no ver, como no sentir -, há alg…